16/06/2021 às 09h07min - Atualizada em 16/06/2021 às 09h07min

Saiba como a pavimentação da Rodovia do Boi e a abertura de uma estrada entre Cerejeiras e Chupinguaia poderiam fazer a nossa região se desenvolver ainda mais

Gazeta Rondônia
Rildo Costa
Carreata em prol do asfaltamento da Rodovia do Boi, em 2018. Na época, o governador Daniel Pereira ouviu a solicitação dos produtores e empresários. (Foto: Rildo Costa)
A região de Cerejeiras, que abrange os municípios de Cabixi, Colorado do Oeste, Pimenteiras do Oeste, Corumbiara e parte de Chupinguaia, é um polo produtivo, destacando-se especialmente na agropecuária, ou seja, a agricultura conciliada com a pecuária. 
 
Com toda esta extensão, a região tem um enorme potencial agropecuário, com previsão para em futuro breve ostentar uma área plantada de grãos próxima aos 300.000 hectares, abrindo e descortinando uma série de oportunidades para a implantação  de agroindústrias, bem como estabelecimento de atividades como a suinocultura, avicultura e piscicultura como desdobramento natural para aproveitamento da produção agrícola regional.
 
Tal perspectiva já tem chamado atenção e atraído o olhar de produtores e investidores vindos do próprio estado de Rondônia e do Sul do Brasil. Aos poucos, esses imigrantes já vêm dando suas contribuições na ocupação e exploração de atividades produtivas, gerando emprego e renda, melhorando e  efetivando o desenvolvimento econômico na região.
 
Junto a isso, esses imigrantes também vêm construindo instituições fortes, promotoras do desenvolvimento e que retêm a renda gerada na região, reinserindo essa renda na comunidade local. Um exemplo vivo destas instituições é a Copama, uma cooperativa agroindustrial com sede em Vilhena e fortemente presente em Cerejeiras.
 
Entretanto, para que as coisas aconteçam com maior celeridade, e o progresso seja ainda mais visível, alguns gargalos precisam ser desfeitos, alguns obstáculos superados, principalmente no tocante a logística. 
 
A ligação de Cabixi por rodovia com a cidade de Comodoro, no Mato Grosso, por exemplo, é essencial.
 
No governo de Daniel Pereira, em 2018, houve certa evolução nas tratativas para a abertura e pavimentação desta rodovia. Na época, uma carreata, organizada pelo sindicato rural de Cerejeiras, foi feita solicitando a interligação entre os Estados de Rondônia e Mato Grosso e o asfaltamento do trecho interligado e da Rodovia do Boi, com a participação do próprio governador, promovida por produtores rurais e empresários da região de Cerejeiras.
 
Hoje a estrada interligando os dois estados já existe, mas precisaria ser corrigida em alguns trechos e oficializada pelo Governo do Mato Grosso como ligação oficial com o estado de Rondônia, para que no futuro viesse a ser asfaltada, exigindo a construção de uma ponte de concreto sobre o rio Cabixi. 
 
Somente com este fato, a realidade de Cabixi seria modificada intensamente, e seria acentuada com a ligação asfáltica com Cerejeiras, conforme projeto já existente e aprovado, passando pela Linha 9 e seguindo pelo 3º Eixo. Esta rodovia aproximaria ainda mais dois grandes polos de produção e diminuiria custos de transporte e facilitaria a vida de muitas famílias que moram neste trajeto.
 
A Rodovia do Boi, ou seja, a RO-370, que liga Corumbiara a São Felipe, se fosse asfaltada,  seria uma extensão da ligação com o centro do estado. Ela adquiriu o nome de Rodovia do Boi por conta da região ser uma grande produtora de gado, hoje também se destacando como uma grande produtora de grão.
 
Várias lideranças do agronegócio na região já tentaram junto ao governo a pavimentação da rodovia. Em 2019, por exemplo, os produtores chegaram ao ponto de oferecer para pagar a rodovia, caso a Assembleia Legislativa votasse um projeto de lei permitindo uma isenção tributária somente pelo tempo suficiente para o tributo que seria arrecadado pagasse o custo dos produtores pela pavimentação.
 
Dentre as lideranças que buscaram solução para isso podemos destacar a atuação de dois líderes cooperativistas no Estado de Rondônia, o presidente da Copama, Fabio Andreazza, e o presidente da Sicoob Credip, Oberdan Ermita. Essas lideranças fizeram estudos das potencialidades da região que seria beneficiada com a rodovia, realizaram levantamentos das necessidades de logística e conversaram com lideranças políticas rondonienses. Outras instituições, como os sindicatos rurais e entidades representativas do cooperativismo, também já foram mobilizadas, mas, até agora, sem sucesso efetivo.
 
No governo de Marcos Rocha, o próprio governador chegou a gravar um vídeo prometendo a obra para o asfaltamento da RO-370, em 2020. Até agora, no entanto, nenhuma ação concreta foi tomada por parte do governo estadual, pelo que se sabe.
 
Em fevereiro deste ano, o vereador Erivelton Navarro, de Cerejeiras, enviou um ofício ao governador Marcos Rocha para solicitar a finalização de estudos e início das obras de asfaltamento que liga Cabixi a Cerejeiras.
 
Outro ponto essencial para a interligação entre este polo de produção seria a abertura de mais uma rodovia entre Cerejeiras a Chupinguaia, que seguiria pelo 3º Eixo, em um trajeto que não ultrapassa 85 quilômetros entre as duas cidades (pois parte da estrada já está aberta), tirando a cidade de Chupinguaia da posição de final de linha e promovendo total integração da região com a BR-364. Observem que, com esta proposta, entre a cidade de Cerejeiras até o Guaporé, na BR-364, existiria uma distância de apenas 140 quilômetros. 
 
Fazemos aqui um apelo aos quatro representantes da região de Cerejeiras na Assembleia Legislativa para uma mobilização expressiva e empenho no sentido de buscar solução para essas situações apresentadas. Se isso ocorrer, seria fator preponderante para impulsionar o progresso que já está sendo vivenciado na região de Cerejeiras.
 

 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você é a favor da volta às aulas presenciais no estado de Rondônia em agosto

21.1%
74.9%
4.0%