25/09/2021 às 13h46min - Atualizada em 25/09/2021 às 13h46min

Ameaça é um dos principais sinais de se estar em um relacionamento abusivo

Gazeta Rondônia

"Todo ser humano em sua camada mais profunda busca afetividade. A afetividade é a validação daquilo que nós somos. O ser humano se valida da afetividade do outro", diz a psicóloga e mestre pela Universidade Federal de Rondônia (Unir), Selena Castiel, para explicar um dos vínculos que faz com que a vítima de violência doméstica permaneça com o agressor. Outras características destacadas pela especialista são: a financeira e a familiar.

A ameaça quando a vítima é mulher, crime também classificado como pertencente ao rol da violência doméstica, apresentou um aumento de 2.367 para 2.453 ocorrências registradas no primeiro semestre de 2020 em comparação com o mesmo período de 2021. Os dados foram informados pela Secretaria de Estado da Segurança, Defesa e Cidadania (Sesdec).

De acordo com a delegada Fabiana Moreira, é importante que a vítima faça o registro da ocorrência quando for ameaçada, pois é dessa forma que a autoridade policial pode tomar conhecimento da situação. As delegacias especializadas no atendimento à mulher oferecem a estrutura para receber a vítima, mas a mulher pode se dirigir a qualquer delegacia.

"É importantíssimo que essa mulher compareça a uma delegacia de polícia para fazer o boletim de ocorrência. É uma forma de evitar um mal maior e para que as autoridades tenham conhecimento do que está ocorrendo. Assim ela pode ser amparada por meio da medida protetiva ou até mesmo ser encaminhada a uma casa de acolhimento [caso haja risco iminente de morte]. Mas é preciso que ela dê o primeiro passo, o registro de ocorrência".

O crime de ameaça, no ciclo da violência, se enquadra na agressão psicológica e emocional, que é quando o homem, muitas vezes, além de agredir fisicamente a companheira, a manipula por meio de palavras opressoras, deixando-a cada vez mais fragilizada. Além de ameaça, os crimes de difamação, calúnia, injúria e lesão corporal, fazem parte do rol violência doméstica

 

Cárcere da culpa

 

O relacionamento abusivo, destaca a psicóloga Selena Castiel, desenvolve na vítima diversos traumas psicológicos e patologias como: depressão, síndrome do pânico, ansiedade generalizada e muitos outros.

A especialista explica que a permanência da mulher, muitas vezes nesse tipo relacionamento, está mais ligada a dependência emocional, onde ela sente culpa e acredita ter falhado em seu papel na relação. Sentimento esse manipulado pelo companheiro agressor.

"Elas sentem culpa no processo que estão vivendo e acreditam que está relacionado de alguma forma ao comportamento e até mesmo ao estereótipo físico dela. Quando ela está completamente inserida nesse cárcere patológico, o agressor joga para a questão do afeto. Ele bate, mas dá afeto. Até a mulher conseguir dar conta do que ela vive, pode se passar muito tempo", explica.

Ainda que com medo, a mulher sente-se impotente. Em diversos casos, explica a especialista, ela pensa que foi coisa momentânea e que o agressor vai mudar.

"É importante também se falar das idealizações, as projeções, as fantasias em que ela acredita que esse parceiro será aquilo que ela espera e idealizou um dia".

 

Própria heroína

 

Muitas barreiras existem entre a mulher perceber que sofre violência doméstica e denunciar o seu agressor. Segundo especialistas, o início do resgate começa quando ela percebe que vive um relacionamento abusivo e que é preciso sair dele. É essencial que essa mulher encontre nesse caminho profissionais preparados para atendê-la de maneira humanizada, com compreensão ampla sobre a violência doméstica, sem revitimizá-la.

Acolhimento, afeto e o não-julgamento de pessoas próximas são essenciais. É por meio de fortalecimento, explica a psicóloga Thaís Tudela, que faz o atendimento das vítimas de violência doméstica no Creas, que essa mulher vai conseguir se desvincular com o agressor.

"Tendo o contato externo é que ela [vítima], muitas vezes, começa a perceber o que está acontecendo e passa, então, a se ver dentro do ciclo da violência. É nessa hora que ela precisa buscar ajuda para sair".

FAÇA O TESTE E VEJA SE VOCÊ ESTÁ CORRENDO RISCO

Marque com um 'X' quando a resposta for SIM
Ele controla o tipo de roupa que você usa?
Ele a afasta de amigos e parentes ou a proíbe de trabalhar?
Ele diz que você não precisa trabalhar ou estudar, pois cuidará de você?
Você tem medo de ficar sozinha com seu marido ou companheiro?
Sente-se isolada, acuada?
As brigas e as agressões estão ficando cada vez mais frequentes e mais graves?
Durante as brigas ele parece estar ficando sem controle?
Ele destrói seus objetos, roupas, fotos, documentos, móveis ou seus instrumentos de trabalho?
Ele faz questão de lhe contar que tem uma arma ou a exibe para você?
Ele tem envolvimento com criminosos e lhe ameaça dizendo que alguém 'fará o serviço sujo' por ele?
Maltrata ou mata seus animais de estimação?
Quando você tenta se separar ele fica telefonando, faz escândalo na porta da sua casa ou trabalho?
Ele ameaça seus parentes ou amigos?
Ele persegue você, demostra ciúmes excessivos, tenta controlar sua vida e as coisas que você faz?
Ele é violento com outras pessoas?
Ele já a obrigou a manter relações sexuais contra a sua vontade?
Se você respondeu SIM a pelo menos uma destas questões, procure a rede de atendimento.
Fonte: Cartilha do Ministério Público de Rondônia 'MP Presente Mulher Protegida

O defensor público Fábio Roberto explica a importância de facilitar cada vez mais o acesso da vítima ao órgão que prestará algum tipo de amparo. Ele ainda destaca a responsabilidade do envolvimento da sociedade para combater esse crime.

"A Lei Maria da Penha busca proteger a liberdade individual, moral, sexual, psicológica, financeira das mulheres e dar a possibilidade de uma penalização maior de alguns crimes quando cometidos nas relações. É preciso que todos nós participemos para acabar, se não, diminuir, a covardia que ocorre nas relações domésticas, familiares, afetivas. É preciso combater esse câncer dentro das relações".

Fonte: G1

Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você desenvolveu algum transtorno relacionado à saúde mental durante a pandemia?

35.1%
5.2%
8.0%
8.6%
43.1%
Fale Conosco!
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp