06/12/2021 às 08h22min - Atualizada em 06/12/2021 às 08h22min

Comunidade Terapêutica Reviver de Cerejeiras participou do primeiro Encontro Estadual de CTs de Rondônia

Gazeta Rondônia

Gazeta Rondônia Publicidade 790x90

O 1º Encontro das Comunidades Terapêuticas de Rondônia foi realizado na quinta-feira (2), no município de Ji-Paraná, reforçou o compromisso do Governo do Estado em ser parceiro das instituições no trabalho de recuperação de vidas daqueles que tornaram-se dependentes das drogas.
 
Durante o evento a Comunidade Terapêutica Reviver de Cerejeiras, fundada em 23 de dezembro de 2017 e mantida pela Associação Antidrogas de Cerejeiras – CADCER, foi representada pelo seu presidente, Osório Ludgero Neto Reis e seu diretor-administrativo, Adnei Lopes Dias .
 
A iniciativa realizada pelo Conselho Estadual de Políticas Públicas sobre Drogas (Conepod), reuniu representantes das comunidades, terapêuticas do Estado, Secretaria de Estado da Justiça (Sejus), Tribunal de Justiça (TJ-RO), Ministério Público (MP-RO), Defensoria Pública (DPE), Federação Brasileira de Comunidades Terapêuticas (Febract), Prefeitura, e casos de superação.
 
O Conepod busca fortalecer as comunidades terapêuticas. O presidente do Conselho, Davi Inácio dos Santos Filho, destacou que o encontro faz parte da orientação do governador Marcos Rocha, para que o Estado não seja só um fiscalizador, mas especialmente um parceiro dessas instituições.
 
Conforme o presidente, o conselho fez um levantamento da quantidade de comunidades terapêuticas em Rondônia e foi constatado que existem 47 instituições com esse objetivo, ou seja, são entidades filantrópicas, sem fins lucrativos. E até setembro, 740 pessoas foram acolhidas por elas.
 
“Temos comunidades terapêuticas bem estruturadas, regularizadas, e temos outras que precisam de ajuda. Vamos nesse espaço para mostrar essas importantes instituições. O Governo de Rondônia é parceiro, está próximo para contribuir com a política pública sobre drogas”, assegura Davi.
 
Também esteve no evento, o gestor da Secretaria de Estado da Justiça (Sejus), Marcus Rito, que destacou a relevância das comunidades terapêuticas para minimizar o impacto da problemática das drogas no Sistema Penitenciário.
 
“Existe uma necessidade de diminuir a demanda de drogas na sociedade, pois isso impacta no Sistema Penitenciário com a prisão de pessoas envolvidas no crime de tráfico de drogas, o que gera gastos públicos, que poderiam ser aplicados, por exemplo, na prevenção. E além disso, o impacto para as famílias”, disse.
 
O secretário ainda destacou o importante papel das comunidades terapêuticas que auxiliam o Estado na reinclusão social dos dependentes químicos.

APOIO
 
No Encontro, representantes das Comunidades terapêuticas tiveram acesso ao compartilhamento de informações sobre financiamento de vagas do Governo Federal e do Governo do Estado, e também dos programas existentes para este público-alvo das instituições.
 
Os detalhes, no âmbito federal, foram transmitidos por meio de palestra por videoconferência com a diretora do Departamento de Prevenção, Cuidados e Reinserção Social (DPCRIS) da Secretaria Nacional de Cuidados e Prevenção às Drogas (SENAPRED), Cláudia Leite.
 
Ela informou que atualmente o Governo Federal financia vagas em duas comunidades terapêuticas de Rondônia e mais três devem ser contempladas em 2022. O presidente do Conepod também destacou que o Governo do Estado financia 120 vagas em comunidades terapêuticas e enfatizou a importância das instituições estarem regularizadas para serem contempladas com esse apoio.
 
Ambos ressaltaram o protagonismo das comunidades terapêuticas por meio das novas legislações, criadas a partir de 2019. “O trabalho das comunidades terapêuticas voltado para os dependentes químicos carece de uma melhor compreensão diante das significativas mudanças ocorridas no aspecto legal e políticas públicas de saúde e assistência social, novas diretrizes e parâmetros de atuação”, pontou Davi Inácio, ao ver no encontro essa oportunidade de esclarecer o novo Norte para a missão dessas instituições.
 
ESFORÇO CONJUNTO
 
Para o presidente da Comunidade Terapêutica Nova Aliança (Cerna), em Rolim de Moura, pastor João Batista, o encontro tem um significado muito especial para que ocorram avanços. “Esse Encontro é um importante passo para que Rondônia seja modelo em tratamento de dependentes químicos. As comunidades terapêuticas trazem grandes resultados para a sociedade”, assegura.
 
Para a diretora da comunidade terapêutica Mon Senhor Gabriel Mercol, da Copiosa Redenção, em Presidente Médici, irmã Severina Chiodi, o encontro é uma oportunidade de adquirir mais conhecimento e também fazer novas parcerias.
 
“A nossa comunidade é exclusiva para atender mulheres dependentes de álcool e outras drogas. Nós desenvolvemos o trabalho em três fases: adaptação, interiorização, onde elas avaliam o que precisa mudar, e de reinserção social, onde ela reinicia o convívio com a sociedade”, explica.
 
O encontro, que ocorreu com diversas palestras no período da manhã e tarde, foi mais uma demonstração de um esforço conjunto para enfrentamento de uma problemática social, e em prol do bem-estar da população rondoniense. Com informações da Secom.
 
 
 

Gazeta Rondônia Publicidade 790x90


Notícias Relacionadas »
Comentários »