07/12/2021 às 20h42min - Atualizada em 07/12/2021 às 20h42min

Menino é encontrado morto em excursão escolar

Gazeta Rondônia

Gazeta Rondônia Publicidade 790x90

O estudante Daniel Hiarle Arruda de Oliveira, de 14 anos, morreu, nessa segunda-feira (6), durante uma excursão da escola no Parque Nacional de Chapada dos Guimarães (MT). Daniel e outros dois colegas desapareceram durante o passeio e ele foi encontrado morto na Cachoeira da Prainha, um dos pontos de parada do Circuito das Cachoeiras.

Veja o que já se sabe sobre o caso e o que ainda falta esclarecer:

 

Como aconteceu?

 

Daniel e outros cerca de 60 alunos da Escola Estadual Professor Welcio Mesquita de Oliveira, localizada no Bairro Pascoal Ramos, em Cuiabá, foram para uma aula de campo no parque e, ao final do dia, três deles desapareceram.

A ausência dos três estudantes foi notada na hora do retorno para Cuiabá, quando o grupo estava no ônibus. Os professores e monitores que acompanhavam os alunos chamaram o Corpo de Bombeiros, que começou a fazer buscas pela região.

Os outros dois foram encontrados bem e os bombeiros continuaram procurando Daniel, na Cachoeira da Prainha, último lugar onde os professores o viram. O corpo dele foi encontrado durante a madrugada desta terça-feira (7), a 3 metros de profundidade.

Três alunos desaparecem durante excursão escolar e um deles é encontrado morto em MT

 

Quais medidas foram tomadas?

 

Por causa do acidente, o "Circuito das Cachoeiras" foi fechado nesta terça-feira (7) para visitação, mas já deve ser reaberto nesta quarta-feira (8). Uma equipe de perícia foi até o local para analisar as circunstâncias da morte de Daniel.

A perícia removeu o corpo e encaminhou ao Instituto Médico Legal (IML) para a realização de necropsia. O exame apontou asfixia mecânica por afogamento como causa da morte.

As aulas foram suspensas na escola onde Daniel estudava e só vão ser retomadas na quinta-feira (9), segundo a Secretaria Estadual de Educação.

A Seduc afirma que seis profissionais do colégio foram na excursão para monitorar os 60 alunos e que as aulas de campo são realizadas de acordo com protocolos específicos, que foram seguidos pelos profissionais da escola e com autorização dos pais e responsáveis pelos alunos.

A Polícia Civil abriu um inquérito para apurar o caso.

Mãe de aluno que morreu em passeio alega omissão de escola em MT

 

O que a família diz?

 

A mãe de Daniel, Joceli Mara Rodrigues de Oliveira, disse que o filho tinha pedido para ir ao passeio como um presente de aniversário. Ela contou que não queria que o filho participasse do passeio, mas, como ele insistiu muito, autorizou e pagou a taxa de R$ 30 para que ele pudesse ir. O estudante tinha completado 14 anos no último dia 1º.

Joceli também questiona as informações passadas pela escola e a assistência dada. “Por que ela [representante da escola] não me falou a verdade? Ela mentiu. Se ela tivesse falado ‘olha mãe, aconteceu isso, mas a gente já está tomando as providências’. Ela falou que ele tinha sumido, não que tinha morrido ali afogado”, afirmou.

A mãe se disse arrependida por ter deixado o filho ir ao passeio e cobra respostas da escola e da Secretaria de Educação.

 

Passeio sem guia é permitido?

 

Não havia guia de turismo acompanhando o grupo durante o passeio, porque a obrigatoriedade de um profissional no percurso foi derrubada por uma portaria do Ministério do Meio Ambiente, publicada há duas semanas.

A exigência do acompanhamento de guia de turismo para o passeio nessa trilha começou em 2008 depois da morte de uma jovem de 17 anos, em um acidente na Cachoeira Véu de Noiva. Saira Tamires Dutra dos Reis e outros cinco banhistas ficaram feridos após parte da encosta da cachoeira desmoronar e ela morreu no hospital.

Após o acidente, o circuito de cachoeiras ficou fechado pra visitação por um longo período. Depois foi reaberto pra visitação só com guia de turismo.

A nova portaria que liberou o passeio sem guia passou a valer no último dia 23. A norma autorizou ‘trilhas autoguiadas’. Podem visitar o parque 150 pessoas diariamente.

A liberação dos passeios sem guia é considerada por especialistas da área como uma medida de alto risco. "Abrir esses atrativos ao público, que muitas vezes não respeita as regras, sem guia, iria dar no que deu. Infelizmente aconteceu, mas poderia ter sido evitado”, disse a presidente do Sindicato dos Guias de Turismo de Mato Grosso (Singtur), Susy Miranda.

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) informa que a visitação autoguiada é permitida em algumas trilhas do Parque Nacional da Chapada dos Guimarães. Segundo o órgão, todas as trilhas da unidade contam com estruturação adequada, com sinalização no local e indicações de acesso. Cada visitante recebe orientações e assina um termo de risco logo na entrada. Fonte: G1

 

O que falta saber

 

 

  • Detalhes da investigação da Polícia Civil sobre o caso;
  • O que dizem os alunos que também se perderam durante o passeio;
  • As circunstâncias da morte de Daniel, se ele estava acompanhado no momento do afogamento ou se teria sido empurrado por alguém na água, se morreu quando o grupo ainda estava no local ou se tinha permanecido na cachoeira sozinho;
  • Se houve omissão ou negligência por parte dos monitores;
  • Critérios usados pelo ICMBio para considerar a trilha autoguiada. Fonte: G1

Gazeta Rondônia Publicidade 790x90


Notícias Relacionadas »
Comentários »