Gazeta Rondônia Publicidade 728x90
09/02/2023 às 16h46min - Atualizada em 09/02/2023 às 16h46min

PF realiza operação contra grupo suspeito de movimentar R$ 120 milhões em esquema em Rondônia

Gazeta Rondônia

Gazeta Rondônia Publicidade 790x90

Uma operação da Polícia Federal (PF) - "Trap Coin" - foi deflagrada, nesta quinta-feira (9), contra um grupo suspeito de movimentar pelo menos R$ 120 milhões em um esquema de pirâmide envolvendo criptomoedas. A base do esquema é em Cacoal (RO).

Segundo a PF, 28 mandados de busca e apreensão são cumpridos em várias cidades de Rondônia e em outros quatro estados: São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Bahia. Cerca de 80 policiais federais participam da ação.

A Justiça Federal também determinou a indisponibilidade de bens, entre eles: veículos, imóveis, ações e ativos financeiros.

 

Investigações

 

A PF começou a mirar o grupo criminoso em 2021, quando descobriu que um morador de Cacoal estava utilizando empresas para captar recursos de outras pessoas, sob a promessa de “aplicações financeiras” em criptomoedas.

O primeiro suspeito foi identificado, durante a investigação, como líder do grupo criminoso. Inicialmente a ação era concentrada apenas na região de Cacoal, mas foi crescendo e se espalhando por outras cidades, estados e até outros países.

 

Como o grupo agia?

 

O foco do grupo era a criptomoeda. Os suspeitos prometiam um contrato de investimento em criptomoedas, inicialmente com retorno garantido de 300% em 120 dias, depois modificado para 100% em 21 a 33 dias. O grupo chegou até mesmo a criar uma criptomoeda para atrair investimentos.

A ação funcionava em “esquema Ponzi", um tipo de fraude de pirâmide financeira que promete o ganho de dinheiro de forma fácil. Segundo a PF, o dinheiro que era captado das vítimas não era utilizado para fazer nenhum investimento e sim para o enriquecimento do próprio grupo.

 

“[Os suspeitos] passaram a ostentar um padrão de riqueza totalmente incompatível com os rendimentos auferidos, valendo-se de diversas estratégias de lavagem de capitais”, revela a PF.

 

Quando as vítimas cobravam os valores do investimento, os suspeitos davam desculpas, sempre colocando o problema em outra pessoa.

Os investigados podem responder pelos crimes de organização criminosa, instituição financeira clandestina, gestão fraudulenta e temerária, emissão ilegal de valores mobiliários sem registro prévio, sonegação fiscal e lavagem de capitais. Fonte: G1

Gazeta Rondônia Publicidade 790x90


Notícias Relacionadas »
Comentários »