30/06/2021 às 14h37min - Atualizada em 30/06/2021 às 14h37min

Sikêra Júnior é a máxima "de quem fala demais dá bom dia a cavalo"!

Gazeta Rondônia
Victória Bacon
Sikêra Júnior apresentador do Programa Alerta Nacional da Rede TV (Crédito de imagem: Reprodução)
A histórica frase "Quem fala demais dá bom dia a cavalo" coube inteiramente ao apresentador Sikêra Jr da Rede TV. Na última sexta-feira, (25) o apresentador no comando do Alerta Nacional, afirmou que homossexuais eram uma “raça desgraçada”. 

Imediatamente, após as falas homofóbicas proferidas pelo apresentador, marcas como a MRV (engenharia), TIM (telefonia) e HapVida (saúde) cortaram relações com o programa do apresentador.

Na segunda-feira, a Magalu, que pertence à rede de lojas Magazine Luiza, também suspendeu o patrocínio comercial com a Rede TV. Ontem, terça-feira, mais 5 empresas decidiram suspender patrocínios com a emissora (BMW, Blindex, Seara... ).


A Sorridents, que fazia entradas diárias no Alerta Nacional e pagava um salário de R$ 60 mil ao apresentador, comunicou que retirou o investimento em publicidade no telejornal.

A repercussão foi tão negativa que os donos da Rede TV, Marcelo Carvalho e Almicare Dallevo, pediram urgentemente uma reunião à distância (via celular) com o apresentador Sikêra Jr. Foi lhe dado um ultimato para que se retratasse nacionalmente. A bronca foi grande e Sikêra correu para tentar reparar o catastrófico erro cometido.
 

Nos bastidores, a cúpula da Rede TV está extremamente raivosa com Sikêra Jr. Por ordem dos donos da emissora, tentar rever os patrocinadores que cancelaram os vínculos com a Rede TV é a missão. O que fazer com Sikêra fica para depois! Almicare, um dos donos da Rede TV está muito preocupado com a repercussão negativa e consequentemente com as ações judiciais que virão contra a emissora.

Mesmo a responsabilidade das falas serem exclusivamente do apresentador Sikêra, o programa Alerta Nacional está vinculado diretamente à Rede TV, então, juridicamente a emissora é responsável pelas falas do apresentador, disse o procurador do MPF que irá mover processo criminal contra Sikêra e a emissora (Rede TV) baseado na jurisprudência do STF de 2019 que equiparou a prática da homofobia ao racismo.
 
“Eu preciso reconhecer que me excedi, no calor do comentário, defendendo a inocência de crianças que eu sempre defendi. Posso ter usado palavras que me arrependo, sou humano. Errei, erro e vou errar".

Por meio de suas Redes Sociais ele também se pronunciou:
 
"Eu tenho sofrido muito por conta desta situação. Eu tenho a responsabilidade de pedir desculpas publicamente. Vou seguir nesta batalha para defender as crianças e a família tradicional, mas sem desrespeitar quem pensa diferente de mim. Você que discorda também é muito bem-vindo aqui”, afirmou.
  

Entretanto, não é a primeira vez que o apresentador chama homossexuais de "raça desgraçada".

No ano passado, o apresentador usou a imagem da transexual Viviany Beleboni ao fazer um comentário sobre um crime cometido por um casal lésbico. Se referindo aos gays, Sikera Jr. mencionou o termo "raça desgraçada" ao exibir a imagem da modelo fazendo uma representação de crucificação na parada LGBT de 2019.

A hashtag #DesmobilizaSikera está entre os tópicos mais comentados no Twitter.

No programa ‘Alerta Nacional' exibido na última sexta-feira (25/6), o apresentador criticou a campanha da rede de fast-food Burger King para o Mês do Orgulho LGBTQIA %2b.

A publicidade mostrava crianças falando, de uma forma natural, sobre casais homoafetivos. Inclusive crianças com pais do mesmo sexo aparecem no vídeo.

A intenção era desmistificar a frase “como vou explicar para o meu filho?” ao se referir ao amor de duas pessoas do mesmo sexo. 
 
“Ai, mas como eu vou explicar isso pra uma criança? Que tal assim”, escreveu o Burger King no post das redes sociais.  
 

O Ministério Público Federal (MPF) ajuizou uma ação civil pública contra o apresentador Sikêra Júnior, da Rede TV, pela prática do crime de homofobia, após o comunicador chamar homossexuais de "raça desgraçada". O programa, que foi ao ar na televisão, também ganhou repercussão na internet.

Na ação, o MPF pede que Rede TV! e Sikêra Jr sejam condenados ao pagamento de R$ 10 milhões a título de indenização por danos morais coletivos – valor a ser destinado à estruturação de centros de cidadania LGBTQIA+".
 
Grupos LGBTQIA+ de Alagoas entram com representação contra apresentador Sikêra Júnior no MPE e MPF.

O Grupo Gay de Alagoas (GGAL) e o Centro de Acolhimento Ezequias Rocha Rego (CAERR) devem entrar com uma representação no Ministério Público do Estado de Alagoas (MPAL) e ação civil pública no Ministério Público Federal (MPF) contra o apresentador Sikêra Júnior, pelo crime de homofobia.

De acordo com a nota divulgada pelos grupos de Alagoas, as representações pedem que sejam apuradas as declarações explícitas de discriminação e LGBTfobia feitas pelo apresentador em seu programa na Rede TV, ao reagir contra a propaganda do Burguer King em comemoração ao Mês do Orgulho LGBTQIA+.

Presidente do GGAL e do CAERR, Nildo Correia afirma que as instituições estão entrando com ações de representação para instauração de inquérito civil com pedido de providências, tanto no MPAL como no MPF.
 
"Nesse documento, apresentamos a denúncia em desfavor do apresentador, informamos o que ele infringiu a legislação atual e pedimos as devidas punições cíveis e criminais, sugerindo a indenização de 150 mil reais em favor de instituições alagoanas que atuam na promoção e defesa dos direitos LGBTQIA+", explica.

Fonte: Victória Bacon. 

Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você desenvolveu algum transtorno relacionado à saúde mental durante a pandemia?

34.7%
5.2%
8.3%
8.3%
43.5%
Fale Conosco!
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp