10/02/2021 às 22h04min - Atualizada em 10/02/2021 às 22h04min

Novo vazamento expõe 100 milhões de celulares, incluindo o de Bolsonaro

Gazeta Rondônia
Um novo vazamento de dados na internet pode ter exposto mais de 100 milhões de contas de celular no mês de fevereiro. Entre as informações vazadas, está o número de celular do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). A informação foi revelada pelo site NeoFeed.

De acordo com a reportagem, dados da empresa de cibersegurança PSafe mostram que as informações estavam disponíveis para a compra na dark web desde o dia 3 de fevereiro deste ano. Dados como CPF, número de celular, tipo de conta telefônica, minutos gastos em ligação e outras informações pessoais eram algumas dos “produtos” à venda.

Ao todo, 102.828.814 contas teriam sido vazadas. Acredita-se que os dados pertencem a usuários das operadoras Claro e Vivo, sendo 5,6 milhões e 57,2 milhões de contas, respectivamente.

A PSafe confirmou que dados do presidente Jair Bolsonaro estavam inclusos no vazamento, com informações como número de celular, valor da conta telefônica, minutos gastos por dia, CPF e data de nascimento. Os mesmos dados da apresentadora Fátima Bernardes também estariam disponíveis, além

A empresa deve encaminhar, nos próximos dias, um relatório sobre os dados vazados à Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), vinculada ao Governo Federal.

O Metrópoles questionou o Palácio do Planalto a respeito do vazamento, mas não houve resposta até a última atualização desta reportagem.

Megavazamento de dados

Em 22 de janeiro deste ano, o site Tecnoblog noticiou que, além de nome e CPF, 223,7 milhões de brasileiros tiveram expostos em um fórum acessível pela busca do Google seus endereços, empregos, salários, telefones, históricos de crédito e até fotos do rosto.

Para acessar ao pacote de dados mais sensíveis, os interessados precisam pagar para quem disponibilizou o arquivo, entre US$ 0,75 e US$ 1 por CPF. Os hackers exigem pagamento em Bitcoin, moeda digital difícil de rastrear.

Para ter acesso a um arquivo que tem “apenas” nome e CPF de 223,7 milhões de pessoas, porém, não é preciso pagar nada.

Ainda de acordo como Tecnoblog, ambos os vazamentos parecem ter sido compilados em agosto de 2019. O mais completo tem informações como a universidade onde a pessoa se formou e se ela tem cheques sem fundo na praça, além dos números de todos os documentos pessoais, como Título de Eleitor e Carteira de Habilitação.

O site indica que um dos arquivos diz ter como fonte a empresa de ranqueamento de crédito Serasa Experian, que negou: “Estamos cientes de alegações de terceiros sobre dados disponibilizados na dark web; conduzimos uma investigação e neste momento não vemos nada que indique que a Serasa seja a fonte”, disse a empresa, em comunicado.

Os dados, porém, não estão na dark web ou deep web, como indicou a empresa, mas na internet aberta mesmo, ao alcance dos sites de busca. Metrópoles
 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »