Gazeta Rondônia Publicidade 728x90
03/02/2023 às 17h23min - Atualizada em 03/02/2023 às 17h23min

Em Vilhena, conselho derruba decisão de terceirizar serviços da saúde pública

Gazeta Rondônia

Gazeta Rondônia Publicidade 790x90

O Conselho Municipal de Saúde votou contrário a decisão do prefeito de Vilhena (RO) de terceirizar os serviços da saúde municipal. Desde o dia 24 de fevereiro, o município está em estado de emergência em saúde.

A votação aconteceu na última quinta-feira (2), na Câmara de Vereadores e teve a terceirização rejeitada por 12 votos contra 1.

O delegado Flori Cordeiro, prefeito de Vilhena (RO), tinha dito que uma instituição filantrópica iria "cuidar da gestão da saúde” do município, mas o Conselho foi contrário pela decisão de entregar os serviços da saúde municipal à Santa Casa de Misericórdia.

Segundo a presidente do Conselho de Saúde, Maria Luiza, essa medida é contraria à legislação do Sistema Único de Saúde (SUS) e que a gestão pública é da direção direta para os entes federados. Assim sendo, a gestão não pode ser terceirizada.

Além disso, ela diz que há muitos problemas para serem resolvidos por parte da prefeitura nesta área.

“Se ele [prefeito] conseguir começar por essa base, reorganizando os serviços e colocando isso de volta como o Lírio Hoesel [Unidade Básica de Saúde] que hoje está fora do seu endereço da área das extremidades daquele bairro, a gente consegue trabalhar para a instalação daquilo que a comunidade anseia” explicou, citando como exemplo a Casa de Parto para mulheres e gestantes e da necessidade de um trabalho da equipe multifuncional dentro da maternidade.

O Ministério Público (MP) deve intervir para que a decisão contrária à terceirização do Conselho de Saúde seja mantida.

Entenda o caso

No dia 24, o delegado e prefeito de Vilhena, Flori Cordeiro, assinou um decreto de estado de emergência em saúde pública.

A administração apontou falhas na gestão anterior e também notou que “quase todos os serviços prestados à população [é oferecido] de forma insatisfatória, e em alguns casos, omissa".

Por isso, foi criado o Comitê de Reestruturação e Monitoramento. Os principais motivos dessa decisão foram os problemas expostos pela Secretaria Municipal de Saúde, como:

O número elevado de pacientes aguardando atendimento médico especializado,

O surto de dengue que a cidade enfrenta,

O desvio de funções de profissionais dentro da área da saúde, e

A situação dos equipamentos das unidades.

Depois disso, a Secretaria Municipal informou a descoberta de um rombo de mais de R$ 50 milhões no orçamento no último dia 26 de janeiro.
 
Fonte: G1.

Gazeta Rondônia Publicidade 790x90


Notícias Relacionadas »
Comentários »